Encontro em Volta Redonda discute o comércio farmacêutico » Panorama Farmacêutico

04/04/2019 Por ourbox

Dados divulgados nos últimos dias pelo instituto de pesquisa Close Up International mostram que o varejo farmacêutico da Região Sul Fluminense está em retração. Do início de 2018 até hoje, as cidades de Volta Redonda, Barra Mansa, Resende, Barra do Piraí, Pinheiral, Piraí e Quatis perderam, ao todo, 20 pontos de venda. Volta Redonda lidera o ranking, pois perdeu dez lojas no último ano, uma retração de 7%. Quatis segue estável, sem nenhuma farmácia fechada.

 

A Região Sul Fluminense segue na contramão da capital, onde foram abertos 120 novos pontos de venda, o que representa um crescimento de 5%. Esse cenário que pode começar a preocupar a economia da região é um dos motivos que levaram a Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro (Ascoferj) a promover, nesta quinta-feira, dia 4, em Volta Redonda, o 4º Encontro Empresarial Ascoferj.

 

O evento é gratuito, exclusivo para proprietários e gestores do canal farma. Ele acontece no Hotel Bela Vista, situado na Rua 19 A, nº 635, em Volta Redonda. Informações e inscrições, acesse: http://ascoferj.com.br/cursos-e-palestras/4o-encontro-empresarial-ascoferj/. Nesse dia, serão apresentados aos empresários da Região Sul Fluminense soluções e ferramentas que podem ajudar na sustentabilidade do negócio. “O nosso objetivo é levar informação, conhecimento e soluções aos empresários”, destaca Luis Marins, presidente da Ascoferj. Haverá palestras sobre temas relevantes para o setor farmácia.

 

Uma delas é a de Guilherme Torres, farmacêutico e especialista em Gestão de Consultório Farmacêutico e diretor da Ponto Care. Ele abordará as possibilidades de serviços de saúde na farmácia, incluindo questões como infraestrutura e precificação. “É uma oportunidade de mostrar que o papel da farmácia vai além de apenas ofertar os serviços farmacêuticos”, adianta Torres.

 

O diretor executivo da Avant Fiscal, Wagner Tavares, também participará do encontro. Ele levantará a pauta dos riscos e benefícios da classificação fiscal dos produtos. “Empresários e varejistas têm dificuldade de obter informações sobre a NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) e acabam pagando impostos erroneamente. Com isso, acabam correndo riscos e deixam de aproveitar os benefícios fiscais dos produtos, perdendo dinheiro e comprometendo a sustentabilidade do negócio”, comenta Wagner.

Fonte: Portal Voz da Cidade

” “

Fonte: panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/04/encontro-em-volta-redonda-discute-o-comercio-farmaceutico