REDE DE LOJAS AFIRMA que contratou profissionais para serem atendentes e nega irregularidades. A contratação de médicos cubanos pela Farmácias São João, entre abril e maio, provocou reação de conselhos de classe no Estado, que afirmam que há denúncias de que os profissionais estariam desempenhando atividades de medicina e farmacêuticas nas lojas, o que seria irregular. A São João, no entanto, informa que apenas admitiu os estrangeiros para a função de atendentes, sem qualquer influência na atuação dos responsáveis técnicos dos estabelecimentos, os farmacêuticos. O Conselho Regional de Farmácia (CRF-RS) e o Conselho Regional de Medicina (Cremers), ambos do Estado, prometem apurar o caso.

 

Diretor jurídico da Farmácias São João, Sérgio Ferraz rebate a polêmica. Segundo ele, cerca de 20 cubanos foram contratados como balcofarmacistas para desempenharem apenas a função de atendentes. Ele não confirmou se todos estrangeiros são médicos. Admitiu que alguns são, mas que a formação deles é irrelevante para a atividade desempenhada.

 

– Foram contratados e treinados para a função de balcofarmacistas. Em hipótese alguma houve o exercício de qualquer atividade relacionada à medicina ou a algo que competia aos farmacêuticos, os responsáveis pelas farmácias. Balcofarmacistas são supervisionados pelos farmacêuticos – garante Ferraz.

 

DECISÃO DE AFASTAR OS PROFISSIONAIS

Conforme a rede, os funcionários foram contratados após processo de seleção desenvolvido em diferentes regiões gaúchas. A empresa não divulgou o número ou os locais de lojas que receberam os trabalhadores.

 

– A função de balcofarmacista pode ser ocupada por qualquer pessoa, desde que passe pelo processo de seleção. Essa tarefa tem limitações dentro das farmácias – declara Ferraz. – Respeitamos a classe farmacêutica. Estamos sempre dispostos a propiciar as melhores condições de trabalho. Respeitamos também a classe médica – acrescenta.

 

Diante da polêmica, a São João informa que resolveu afastar os cubanos do dia a dia de trabalho. O futuro dos profissionais ainda não foi definido, segundo Ferraz.

 

– Estamos prezando por colocar calmaria na situação. A polêmica foi muito grande por algo que não acontecia. Eles eram balcofarmacistas, trabalhavam normalmente. Com a grande exposição, houve o afastamento até para preservá-los – argumenta o diretor.

 

Em novembro do ano passado, Cuba decidiu deixar o programa Mais Médicos. Na ocasião, o governo do país alegou como motivação algumas declarações “ameaçadoras” de Jair Bolsonaro, que recém havia sido eleito para exercer o cargo de presidente da República no ano seguinte.

 

Segundo o Código de Ética Médica, profissionais da categoria estão proibidos de “exercer simultaneamente a medicina e a Farmácia ou obter vantagem pelo encaminhamento de procedimentos, pela comercialização de medicamentos”.

– O exercício da medicina em farmácias é proibido. Estamos investigando essas questões – comenta o presidente do Cremers, Eduardo Trindade.

 

Em nota, sem citar a São João, o CRF-RS afirma “que a atuação de outros profissionais nos estabelecimentos farmacêuticos não possui restrição, exceto para médicos, e desde que não haja conflito de interesse e conflitos técnicos”. “O CRF-RS ressalta que farmácias são estabelecimentos de saúde e defende a prática dos serviços farmacêuticos, realizados pelo profissional legalmente habilitado para isso, o farmacêutico”, completa o texto.  [email protected]. LEONARDO VIECELI.

Fonte: Jornal Zero Hora

Fonte: panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/23/conselhos-apuram-trabalho-de-medicos-cubanos-em-farmacias